Seis destinos para viajar sem sair de MS no feriado de Corpus Christi – Web MS

Seis destinos para viajar sem sair de MS no feriado de Corpus Christi

 

Desta vez o “abre-alas” para a folga geral é o feriado católico de Corpus Christi, celebrado desde o ano de 1264 sempre na quinta-feira seguinte ao domingo da Santíssima Trindade. Será ponto facultativo (dispensa a obrigatoriedade de funcionamento de órgãos públicos, por exemplo), que no Brasil acaba virando um feriadão de quatro dias ao emendar com a sexta-feira, o sábado e o domingo.

Se você pretende aproveitar para fazer uma viagem nem que seja para mudar de ares, e ainda não sabe para onde ir, o canal de turismo Lugares Por Onde Ando, do Campo Grande News, listou seis destinos sul-mato-grossenses para ajudar na sua escolha. Assim, nem precisará sair de Mato Grosso do Sul para curtir o folgão de Corpus Christi.

1 – Aquidauana:

Para quem segue na rodovia BR-262 a partir de Campo Grande (140 km), a cidade de Aquidauana é a primeira escala de um roteiro pela região do Pantanal que também inclui Miranda e Corumbá. São 74 km entre Aquidauana e Miranda, depois mais 191 km até Corumbá.

O cartão de visita é o Pantanal, mas Aquidauana apresenta uma grande variedade de atrações turísticas, como as belezas naturais da Serra de Maracaju, um conjunto de montanhas que divide o Estado de Mato Grosso do Sul. A leste tem os campos de cerrado e a oeste a planície pantaneira, com cachoeiras, cavernas e até praias de areia branca às margens do Rio Aquidauana.

A lista de destinos em Aquidauana inclui o Morro do Paxixi, Parque Estadual do Pantanal do Rio Negro, Parque da Lagoa Comprida, Museu Marechal José Machado Lopes, Piraputanga, Igreja Nossa Senhora Imaculada Conceição e Ponte Roldão Carlos de Oliveira.

 

Em Jardim, o Buraco das Araras é um dos destinos que valem a pena conhecer (Foto: Buraco das Araras/Reprodução)Em Jardim, o Buraco das Araras é um dos destinos que valem a pena conhecer (Foto: Buraco das Araras/Reprodução)

2 – Jardim:

Distante 237 km de Campo Grande pela rodovia BR-060, Jardim é um importante destino de ecoturismo em Mato Grosso do Sul. É um dos municípios membros do Parque Nacional da Serra da Bodoquena junto com Bonito, Bodoquena e Guia Lopes da Laguna.

Com 100 metros de profundidade, 160 de diâmetro e 500 de circunferência, o Buraco das Araras é uma de suas principais atrações turísticas a R$ 78 por pessoa. Localizado na Fazenda Alegria, distante 28 km em relação ao centro da cidade, o lugar é refúgio de vida silvestre criado pela própria natureza.

Outra atração que vale a pena em Jardim é a Lagoa Misteriosa, um dos atrativos turísticos mais procurados na região da Serra da Bodoquena. Com profundidade desconhecida, a lagoa tem 30 metros de largura e 60 de cumprimento. De todas as tentativas de se chegar ao fundo, a marca mais profunda foi registrada em 1998 pelo mergulhador Gilberto Menezes de Oliveira, que atingiu a profundeza de 220 metros sem conseguir o objetivo.

O passeio na Lagoa Misteriosa, localizada na fazenda Recanto Ecológico Rio da Prata, a 36 km de Jardim, inclui flutuação (R$ 166 por pessoa) e mergulho com cilindro (R$ 400 por pessoa com direito aos equipamentos necessários). Outra opção é o almoço servido na sede do Recanto Ecológico Rio da Prata ao preço de R$ 56 por pessoa.

Partindo de Campo Grande, são sois caminhos que levam você até a cidade de Jardim: Via Aquidauana (280 km pela BR-262) ou via Sidrolândia (233 km pela BR-060).

3 – Ponta Porã e Pedro Juan Caballero:

A mais famosa fronteira sul-mato-grossense com o Paraguai é uma sugestão, caso você tenha a intenção de aproveitar o feriado emendado com o fim de semana para visitar pontos turísticos ou fazer compras de produtos importados em Ponta Porã, no lado brasileiro, e Pedro Juan Caballero, no lado paraguaio. Partindo de Campo Grande são 342 km pela BR-163 e BR-463.

“A nossa fronteira não se resume apenas em turismo de compras. Tem muita coisa além disso para o turista conhecer e se enriquecer de cultura e conhecimento sobre a história de Brasil e Paraguai”, disse o professor e pesquisador Yhulds Giovani Bueno, filho de pais gaúchos, nascido em Ponta Porã, em recente entrevista ao canal de turismo Lugares Por Onde Ando.

Suas dicas de atrativos em Ponta Porã incluem o prédio do 11º Regimento de Cavalaria Mecanizada, construído em 1941, a antiga Estação Ferroviária, inaugurada entre as década de 1940 e 1950, o Museu da Erva Mate, que mostra o ciclo da erva mate na região fronteiriça com fotos de época, objetos antigos e acervo bibliográfico, o Marco Grande, construído a partir do Tratado de 1872 no trevo da saída para o município de Antônio João, que delimita a nossa fronteira de 1.365 km de extensão, e o Castelinho, uma construção da década de 1920.

Já Pedro Juan Caballero tem o turismo histórico e de aventura, e entre os grandes atrativos estão as belezas naturais do Parque Nacional Cerro Corá, a 35 km de Ponta Porã. Criado em 1976, o parque não é só uma reserva natural, é também uma referencia cultural histórica por ter sido palco da última batalha da Guerra do Paraguai em 1º de março de 1870, além das suas cavernas com pinturas rupestres pré-colombianas.

campograndenews

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *