MS está sob alerta após vírus letal ser encontrado na Bolívia, confirma SES

Vírus Chapare foi identificado no país vizinho e é responsável por febres hemorrágicas

Após cientistas encontrarem indícios de transmissão do Vírus Chapare na Bolívia, um alerta do Ministério da Saúde foi encaminhado para Mato Grosso do Sul sobre a doença, que causa febres hemorrágicas, com sintomas que se parecem com a dengue e o ebola. Descoberta científica teria indicado que vírus se transmite entre humanos.

De acordo com a Vigilância em Saúde da SES (Secretaria Estadual de Saúde), o alerta foi feito através do Ponto Focal Nacional para o Regulamento Sanitário Internacional, que faz parte da vigilância em saúde nacional do Ministério da Saúde.

“O alerta foi encaminhado para o CIEVS Estadual de Mato Grosso do Sul e encaminhado para a Vigilância do município de Corumbá para que a Rede de Saúde se atente para possíveis casos suspeitos que atendam à definição”, disse a diretora da Vigilância em Saúde de MS, Larissa Domingues Castilho de Arruda.

O secretário de Saúde, Geraldo Resende, disse pela manhã que a informação da suspeita do vírus no país vizinho era muito recente, mas que é preciso cuidado. As informações ainda são muito recentes, já que a notícia sobre o novo vírus foi divulgado pela comunidade científica há menos de 24 horas, após estudos dos CDC (Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos).

A doença rara já havia matado quatro pessoas entre 2003 e 2019, porém, com a possibilidade de transmissão entre humanos, o risco de propagação aumenta. O vírus pode causar febres hemorrágicas, com sintomas parecidos com dengue e ebola, como febre, dor de cabeça, vômito, diarreia, dores nas articulações, erupções cutâneas e sangramentos nas gengivas – e pode levar à morte.

Acredita-se que o vírus seja proveniente de roedores e tenha sido transmitido a humanos por contato direto ou indireto com a saliva, urina e fezes de animais infectados. Com relação à transmissão entre humanos, a infecção pode acontecer por contato com os fluidos corporais do paciente ou durante procedimentos em ambientes de saúde. Pesquisas ainda devem ser feitas para entender como o vírus se espalha e causa doenças.

“O vírus é transmitido por alimentos e água contaminados pela urina e fezes de ratos infectados. Ainda está sendo estudada a transmissão de humano para humano”, disse SES em nota.

midiamax

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 − dois =